Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os poemas são criação minha, salvo os assinalados com o autor. Alguns estão publicados. Não autorizo cópia, ou partilha sem autorização (Decreto-Lei n.º 63/85 dos Direitos de Autor e anexos posteriores)

21
Jul16

Cordão Umbilical

por Sílex

 


 


 


 

 



 


 


Ajoelhei com o corpo inteiro, joelhos e cotovelos


no chão, 


a alma atrás.


As lágrimas juntas e o rosto desfigurado,


sem amor próprio, vergonha do mundo...


Confessei aos ventos o meu amor por ti, desci ao inferno


e de lá subi.


Nua, em chagas.


De coração nas mãos.


 


Fui o arlequim empossado,


pela falta de noção de mim mesma.


Mas que importava se acreditava... 


De pés e mãos atadas, olhos vendados,


num amor verdadeiro, 


nascido de palavras falsas


e de intenções assassinas


que um dia, um só, terá estremecido


por um acorde,


de algo que tangi. Dentro de si. 


 


 


Amaste-me, eu sei, 


como eu a ti.


E odiámo-nos como nenhuns,


amando-nos, mesmo assim, como só nós.


Ficou-nos impressa na carne uma marca rubra


de bordos incertos, 


que não é carne, nem peixe,


mas ainda nos liga.


e dizemos que... já passou. 


 


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:




Mais sobre mim

foto do autor


Só restos... é o que sou! Um monte de restos, em trânsito pela vida!


Detesto quem me aponta a mediocridade, sem perceber que ser mais do que isto, nunca me importou.
Deixem-se só com a minha insignificância. Contornem-me e não olhem para trás.



"Todo o homem saudável consegue ficar dois dias sem comer - sem a poesia, jamais."
Charles Baudelaire

web
analytics