Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os poemas são criação minha, salvo os assinalados com o autor, alguns já estão publicados. Não autorizo cópia, ou partilha sem autorização (Decreto-Lei n.º 63/85 dos Direitos de Autor e anexos posteriores)

30
Abr17

Efervescência

por Sílex

 


 


 


 



 


 


 


Sou eu sei...


Como ardem as veias, e o fumo se evapora da pele


quando o ácido da raiva, sem poder detê-lo


lhes corre veloz dentro.


 


Só eu sei...


Como por vezes o amor não chega,


nem o mais doce golpe de vento, para curar todas as feridas que vou deixando ao passar,


quando desato a queimar.


 


Não penses que é fácil... 


Viver comigo, conhecer-me por dentro


e saber que tanto o receptáculo da ternura, como o do ódio


se equivalem, mas o último é efervescente.


 


Nem avalias...


Como sofro muito mais, esbofeteio e repreendo


sempre que quero ser concórdia


e termino, divisão.


 


Só eu sei...


Como soluço noite fora e vejo amanhecer


porque conheço mais que devo, como faço, sem  querer...


A quem amo, sofrer. 


 


E uma desculpa não cabe


onde um furacão acabou de passar 


Um perdão não se acha...por mais que se queira,


a quem só nos sabe magoar.


 


Contudo...


Talvez não exista pessoa no mundo


Que enfrente o mundo...por ti,  de mãos nuas


e peito aberto.


 


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:




Mais sobre mim

foto do autor


Só restos... é o que sou! Um monte de restos, em trânsito pela vida!


Detesto quem me aponta a mediocridade, sem perceber que ser mais do que isto, nunca me importou.
Deixem-se só com a minha insignificância. Contornem-me e não olhem para trás.



"Todo o homem saudável consegue ficar dois dias sem comer - sem a poesia, jamais."
Charles Baudelaire

web
analytics